E você? Deixa seu amigo canino dormir na sua cama ou acha que cada um tem que ficar no seu espaço?


Eles são uma fonte de calor e ainda dão carinho. Quem nunca sonhou em ter uma aconchegante noite de sono ao lado de seu amigo peludo? Isso, claro, sem levar patadas na cara, no pescoço… Seu cãozinho, com certeza, já sonhou com isso também. Além de ter a sua companhia, sua cama é mais confortável e quentinha para ele. Eis que surge um dilema – pelo qual, provavelmente, todo dono já passou: deixar ou não o cachorro dormir na sua cama?

Para esta pergunta, não existe uma resposta certa. Mas, uma vez que a escolha tenha sido feita, é pelo resto da vida. Isso porque pode ser muito difícil fazer com que um cão que foi acostumado a dormir na sua cama a passe a noite em outro lugar.

Então, pense com carinho! Segundo pesquisa divulgada pela Comissão de Animais de Companhia, 55% dos cães brasileiros dormem dentro de casa e 23% dentro do quarto. Abaixo, confira alguns pontos para considerar antes de tomar sua decisão.


Mau comportamento? Na minha cama, não!

Se você optar por permitir que o seu pet compartilhe sua cama com você, terá que tomar alguns cuidados para não deixar a coisa virar “bagunça”. Por exemplo, se pegar seu cãozinho abocanhando seu travesseiro ou tentando cavar buracos no seu lençol, reprima-o no ato! É importante dar a bronca para deixar claro que ele tem que respeitar as regras se quiser dormir no seu território.


Observe os hábitos noturnos do seu pet

Antes de dar ao seu amigo canino o privilégio de dormir na sua cama, é uma boa pedida observar seus hábitos noturnos. Os cães têm ciclos de sono diferentes dos nossos e podem acordar no meio da noite para, depois, voltar a dormir. Isso pode se mostrar bastante desconfortável para o dono que divide a cama com o pet insone. Um estudo do Centro Mayo de Distúrbios do Sono divulgou que cerca de metade dos pacientes entrevistados tinham um cão ou gato; entre eles, 53% afirmaram que o pet atrapalha seu sono de alguma forma durante a noite.

Mais dois fatores a observar: se o cachorro consegue facilmente sair e voltar para a cama e quantas vezes o cão precisa fazer necessidades durante a madrugada. Ninguém quer acordar e descobrir uma “surpresa” no lençol, certo?


Tamanho é documento

É importante notar que, se o seu cão for muito pequenino, você corre o risco de machucá-lo enquanto se movimenta durante o sono. E a recíproca é verdadeira: se o peludo for de grande porte, é você quem pode ter o sono prejudicado durante a noite.


Atchim! Com alergia não se brinca

Se você tem alergia ao pelo do cachorro, não deixe seu cãozinho passar perto da sua cama. Pessoas com problemas alérgicos podem ter experiências muito desconfortáveis com apenas alguns poucos pelos de cão sobre a cama. Imagine só com um peludo dormindo sobre a mesma cama! “Quem tem alergia ou mesmo asma precisa de algumas horas de distância do pelo dos animais de estimação. O ideal é que o bichinho nem mesmo possa entrar no quarto”, diz o imunologista Derek Damin.


Dar mais banho não resolve

Quer dormir lado a lado com seu cachorro, mas o cheiro dele te incomoda? Nem pense em aumentar o número de banhos! Banhos em excesso podem prejudicar a pele do seu cãozinho. O ideal é dar banho a cada duas semanas. Se o cheiro incomoda, melhor você e seu pet dormirem em camas separadas.


Caminha confortável

“Se optar por não compartilhar a cama com seu melhor amigo canino, certifique-se que ele também tenha uma cama confortável, a mais fofa e espaçosa que você puder comprar, e posicione-a o mais próximo possível de um membro responsável da família”, aconselha a especialista em comportamento canino Pat Miller.



(Redação Anhambi com Portal Melhores Amigos)